Após quatro temporadas de sucesso no eixo Rio-São Paulo, espetáculo com Paula Cohen chega a Brasília

lagrimas-3_ana-alexandrino

Uma pessoa em busca do amor, uma atriz em busca de personagem, uma mulher em busca de si mesma. Irreverente, reflexiva e muito passional, As lágrimas quentes de amor que só meu secador sabe enxugar tem enorme capacidade de comunicação com o público. A peça cumpriu quatro temporadas de sucesso em São Paulo e no Rio de Janeiro. Com trilha sonora de Ana Cañas, Bárbara Eugênia, Letuce, Tulipa Ruiz e Billy Idol, agora é a vez dos brasilienses curtirem o espetáculo, que faz curta temporada no Teatro Brasília Shopping entre 1º e 16 de julho, sempre aos sábados, às 20h, e domingos, às 19h.

Escrita a quatro mãos pela atriz Paula Cohen e o diretor Pedro Granato, no palco Paula mescla em sua dramaturgia fatos fictícios e reais acontecidos na vida dos autores. “É um solo encenado de maneira bem-humorada. Tudo ocorre enquanto a personagem conta sua história”, detalha a atriz e co-autora. Granato optou por uma encenação intimista, narrada diretamente para a platéia e que traz para o espectador a sensação de uma confissão, cheia de criatividade e sensibilidade. “Sozinha em cena, a personagem faz confissões a um secador, fala sobre a trajetória de uma mulher em transformação. Uma atriz que busca um papel para encontrar sua própria identidade”, adianta o diretor.

lagrimas-5_ana-alexandrino

O cenário exibe uma paleta de cores vivas com figurinos que surgem de malas e nécessaires carregadas pela personagem na cena inicial. “Ela passa em revista todas suas bagagens na alfândega, quando volta com tudo que tem ao seu país. Narro a história enquanto manipulo o cenário e troco figurinos para encarnar vários personagens”, revela Paula. Das malas surgem roupas, objetos e até um ventilador industrial que embala o grand finale da peça.

 

Trilha poderosa

Na trilha, Ana Cañas, Bárbara Eugênia, Letuce, Tulipa Ruiz e Billy Idol. “As intérpretes da nova geração amplificam os sentimentos da personagem, abrem múltiplas vozes femininas para construir a identidade da mulher contemporânea”, acrescenta GranatoAs lágrimas quentes de amor que só o meu secador sabe enxugar reforça que o feminismo e todas as suas questões sociais estão em pauta diariamente nos mais diversos ambientes. Acompanhando esse momento, o trabalho da dupla Granato/Cohen vem tratar sobre uma mulher criada para esperar o príncipe, que resolve escrever sua própria história como protagonista.

 

Críticas

As lágrimas quentes de amor que só meu secador sabe enxugar é mais uma prova de que os anseios modernos femininos são muito melhores no palco, desbancando series, novelas e até mesmo longas metragens que, ao criar um cenário complexo e cheio de atores acabam matando parte da complexidade aguda que nos faz… mulheres. Desligue a TV, vá ao teatro!” – Revista TPM

“Paula Cohen é uma atriz completa, desenhou o próprio figurino, escreveu a peça com Pedro Granato, o diretor que a mantém 70 minutos no palco com uma energia cênica impressionante” – M de Mulher, Revista Claudia

“Ótima articulação de referências cult, excelente timing e vibrante comunicação com o público” – Crítica Teatral RJ

“Conquista o público aos poucos até que, ao final, está com ele aos seus pés” – UOL

 “Paula Cohen é uma intérprete de personalidade… promove uma acertada e divertida autocrítica de sua geração”Veja SP Recomenda

as-lagrimas-ana-alexandrino

 

Histórico da peça

Estreou no Teatro MuBE em 2014 em São Paulo e fez duas temporadas no ano seguinte, recebendo críticas primorosas e reconhecimento do público. Participou da Virada Cultural Paulista, em Mogi das Cruzes, no ano de 2015, lotando o Theatro Vasques. Em apresentação gratuita no Itáu Cultural, a peça encheu duas sessões. Marcou seu segundo semestre de 2015 nos palcos cariocas do Teatro do Leblon. Viajou para o 13º Festival de Extrema no CineTeatro. Em 2016, fez sua quarta temporada em São Paulo no JK Iguatemi.

 

Sobre Paula Cohen

Forma-se pela Escola de Arte Dramática (EAD/USP) e atua, entre outros, nos espetáculos “Navalha na Carne” (2008/13) de Plínio Marcos e direção de Pedro Granato, “As Lágrimas Quentes que Só meu Secador sabe enxugar” com o mesmo diretor (2014/16), “Invasores” (2013), com direção de Roberto Alvim, “Arena Conta Danton”, com direção de Cibele Forjaz, em 2005; “De Quatro”, com texto e direção de Gustavo Machado (2004/05); “Entre atos”, com direção de Gero Camilo e Ivan Andrade; “Divinas”, sob a direção de Camilla Amado, em (2003); “Suburbia”, com direção de Francisco Medeiros em 2002; “Antes do Café”, com direção de Celso Frateschi, em 1998; e “Tartufo”, com direção de José Rubens Siqueira, em 1997.

Assina a direção de “Cada dois com seus Pobrema” (2014/16), de Marcelo Médici. Na televisão, participa dos humorísticos “Sob Nova Direção” (2004), “Retrato Falado” (2004) e “Dias de Glória” (2002), da minissérie “Liberdade, Liberdade” (2016), e também da novela “I Paraisópolis (2015)”, todos na Rede Globo. No cinema, atua nos curtas “Parabéns” (2005), “Ímpares” (2003) e “Let’s Try to Forget” (2000), e nos longas mais recentes “Uma espécie de família” previsto para 2017, “O silêncio do céu” (2016) e “E aí, comeu?” (2013).

Publicou seu primeiro livro em 2017, “Vou comer brilhantes para ver se quebro um dente”.

 

Sobre Pedro Granato

Diretor, dramaturgo e professor de teatro formado pela ECA-USP. Selecionado para o Directors LAB com diretores do mundo todo no Lincoln Center em Nova Iorque em 2014. Entre as peças que dirigiu e escreveu estão: “11 Selvagens”; “Vermelho Labirinto” com Rita Grillo e Anna Zepa; “Fortes Batidas” (Ganhador do APCA de “Melhor Espetáculo em Espaço não Convencional” e o “Prêmio Especial pela experimentação de linguagem” no Prêmio São Paulo); “Você não está Aqui”, com Ricardo Malerbi – Proac 2015 e MIS – Museu da Imagem e do Som;

“As Lágrimas Quentes de Amor que Só Meu Secador Sabe Enxugar” com Paula Cohen, que já cumpriu 4 temporadas. Outras direções de destaque: “Até que deus é um ventilador de teto” de Hugo Possolo, (SESC Pompeia e Parlapatões); “Quanto Custa?” de Bertolt Brecht, eleita como “melhor trabalho em espaço convencional de 2013” no Prêmio da Cooperativa Paulista de Teatro que estreou no CCBB São Paulo e Brasília e circulou o interior do estado com apoio do ProAC; “IL Viaggio” de Marcelo Rubens Paiva (SESC Bom Retiro); “Navalha na Carne” de Plínio Marcos (SESC Paulista); “Sonho de Uma Noite de Verão” (Prêmio Zé Renato de Teatro; SESC.

Foi diretor do grupo IVO 60, grupo contemplado 5 vezes pelo Programa Municipal de Fomento ao Teatro. Hoje dirige e administra o teatro Pequeno Ato no centro de São Paulo e é presidente do MOTIN – Movimento dos Teatros Independentes de São Paulo.

 

Ficha Técnica

Com Paula Cohen

Texto: Paula Cohen e Pedro Granato

Direção: Pedro Granato

Trilha: Ana Cañas, Bárbara Eugênia, Letuce, Tulipa Ruiz e Billy Idol

Luz: Karine Spuri

Operação de Som: Victória Martinez

Operação de Luz: Gabriel Tavares

Produção: Contorno Produções e Pequeno Ato

Direção de Produção e Produção Executiva: Jessica Rodrigues e Victória Martinez

 

SERVIÇO

AS LÁGRIMAS QUENTES DE AMOR QUE SÓ MEU SECADOR SABE ENXUGAR

Local: Teatro Brasília Shopping

Data: 1º a 16 de julho

Horário: Sábados às 20h e Domingos às 19h

Ingressos: R$ 40,00 (Inteira)/ R$20 (meia-entrada) à venda na bilheteria do Teatro duas horas antes do espetáculo ou na Bilheteria Rápida – http://bilheteriarapida.com/

Capacidade do teatro: 100 lugares

Duração: 60 minutos

Classificação indicativa: 14 anos