Brasília recebe o Campeonato Mundial de Asa Delta

 

A capital federal brasileira será invadida pelos melhores pilotos de voo livre do mundo. Durante duas semanas, Brasília sedia o Campeonato Mundial de Asa Delta da FAI (Federação Aeronáutica Internacional), válido como a 21ª edição para os homens e a 14ª para as mulheres. A competição terá início em 6 de agosto e término no dia 19 do mesmo mês, reunindo mais de 140 pilotos de 29 países já pré-confirmados.

Enquanto Brasília e municípios vizinhos receberão as aterrissagens, a cidade de Formosa (GO) terá as decolagens no Vale do Paranã, com uma rampa a cerca de 1.000 metros de altitude. Por possuir clima seco, o Distrito Federal atrai atletas brasileiros e estrangeiros praticantes do esporte.

asas-pousadas-na-esplanada-dos-minist__rios-divulga____o-good-energy-ateli__
“Além de Brasília ter as condições climatológicas muito propícias para o voo livre, a cidade tem uma história muito forte no cenário da modalidade no Brasil e no mundo. Já foi sede do Campeonato Mundial em 2003 e depois destes anos todos seguiram como sede das etapas do Brasileiro de Asa Delta, sendo uma das mais disputadas do circuito, com grande quantidade de provas e estabilidade em termos de clima”, conta Dioclécio Rosendo, vice-presidente da Confederação Brasileira de Voo Livre (CBVL).

“Outro fator que chama atenção para cidade-sede do evento, é que você voa do interior e vem na direção da cidade. Assim, é uma forma de presentear não somente o público de Brasília e municípios vizinhos, como também os pilotos participantes da competição, que decolam da zona rural e pousam na região urbana, no centro de uma capital federal”, complementa o dirigente da CBVL.

Até o momento, 144 pilotos estão pré-inscritos na competição. Eles representam 29 países: Japão, Brasil, Estados Unidos, Alemanha, Argentina, Austrália, Áustria, Canadá, Chile, Colômbia, Equador, Espanha, França, Grã-Bretanha, Guatemala, Holanda, Hungria, Israel, Itália, Liechtenstein, México, Noruega, Nova Zelândia, Paraguai, Rússia, República Tcheca, Suécia, Suíça e Venezuela.

 

Favoritos – No masculino, o favorito é o atual campeão mundial, o italiano Christian Ciech, vencedor em 2015 no Valle de Bravo, no México. Outros pilotos, também candidatos ao título, são os atuais três primeiros do Ranking FAI: o australiano Jonny Durand, número 1 do mundo e vencedor do Pré-Mundial em 2016, disputado em Brasília, o brasileiro André Wolf e o austríaco Thomas Weissenberger. Entre as mulheres, as favoritas são a japonesa Yoko Isomoto, a atual campeã do Mundo, e a alemã Corina Schwiegershausen, que ocupa a segunda posição no Ranking Femimino da FAI.

“Como teremos muitas provas e o nível técnico dos participantes é bem elevado, embora alguns pilotos possam ser citados como favoritos no individual, teremos facilmente de dez a doze nomes que podem conquistar esse título”, avalia Dioclécio.

pouso-na-esplanada-edison-buenosport-image

“Entre as nações, a disputa também promete ser bastante acirrada. Os italianos, atuais campeões mundiais e vencedores do Pré-Mundial do ano passado, em Brasilia, mesmo sem alguns de seus principais pilotos competindo, terão um páreo duro pela frente contra o time brasileiro, que atualmente lidera o Ranking FAI de nações e tem cinco pilotos entre os dez primeiros do ranking mundial”, conta Dioclécio Rosendo. Além de André Wolf, estão no top 10: David Brito Filho, Álvaro Sandoli, Carlos Niemeyer e Rafael Mello.

Conhecida mundialmente como o “Havaí do Voo Livre”, Brasília é um dos locais ideais para a prática de voos livres no País. A cidade possui ventos predominantes do quadrante leste e o clima bastante seco nesta época do ano, que proporcionam voos fantásticos de até cinco horas de duração. As correntes térmicas são aproveitadas pelos pilotos para ganhar altura e realizar voos de até 170 km de distância, utilizando somente as forças da natureza.

Brasil no Mundial – O Brasil já foi sede do Campeonato Mundial em duas ocasiões, além de ter vencido uma vez por equipes e ter um campeão mundial no individual. O primeiro atleta a colocar o País no lugar mais alto do pódio da competição foi Pepê Lopes, no ano de 1981, em Beppu (Japão). Dez anos depois, Governador Valadares (MG) sediou pela primeira vez uma edição brasileira, e os destaques vieram com a segunda colocação de Pepê Lopes, o terceiro lugar de Paulo Coelho e o vice-campeonato da seleção nacional.

Em 1999, em Monte Cucco (Itália), o país garantiu o título de nações, além de duas colocações no pódio individual, com André Wolf e Pedro Matos, segundo e terceiro colocados, respectivamente. No mundial seguinte, dois anos depois em Algodobales-Cadiz (Espanha), o Brasil foi o vice-campeão, repetindo a colocação em 2003, em Brasília, quando a capital federal recebeu o seu primeiro mundial. De lá para cá, o Brasil não teve mais atletas no pódio do evento.

O Campeonato Mundial de Asa Delta tem como patrocinadores master, a Caixa e o Governo Federal. O evento conta com os apoios de Gollgi, Governo de Formosa, CONFAE, Secretaria do Esporte e Lazer de Brasília, Museu Nacional, Secretaria de Cultura, Aeroporto de Brasília, Força Aérea Brasileira (FAB), Bombeiros de Goiás, Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal, Rádio Transamérica, Home – Hospital Ortopédico e Medicina Especializada, Sportfisio, Super Ar – Escola de Voo Livre, Sol Paragliders e o Grupo Voe Tur, como a agência oficial de turismo.  É uma realização da Confederação Brasileira de Voo Livre (CBVL), Federação Aeronáutica Internacional (FAI) e Confederação de Aerodesporto Brasileiro (CAB), em uma produção da Zenith Marketing.

 

Serviço

Campeonato Mundial de Asa Delta
Data: 6 a 19 de agosto
Local: Rampa do Vale do Paranã, em Formosa (GO)

Mais informações:
Site
http://www.brasilia2017.com.br/
Facebookwww.facebook.com/Brasilia2017

Fotos: Alex Farias / Agência PhotoGP