Hallyu Rio traz o melhor da cultura coreana para os cariocas

 

Anneyong haseyo!

No dia 8/7 o Imperator – Centro Cultural João Nogueira, no Méier, abriu as portas para receber a terceira edição da Hallyu Rio, que é o maior festival de cultura coreana do Rio de Janeiro; o evento contou com várias atrações que reuniram cerca de 1000 pessoas, entre admiradores, consumidores, expositores e curiosos em aprender mais sobre a diversidade cultural daquele povo, que vem ganhando cada vez mais notoriedade no mundo, principalmente através do K-pop.

20180708_135515

Hall do Imperator

“Hallyu” significa uma “onda de cultura coreana”, e as mais recentes aparições da cantora CL e do grupo EXO nas Olimpíadas de Inverno, do BTS no AMA (America Music Awards) 2017 e no palco da Bilboard 2018, além de vários shows e fan meetings de artistas menos famosos que vêm acontecendo pelo Brasil e América do Sul – à exceção do BTS, que já veio em São Paulo no ano passado, e o Monsta X, programado para agosto deste ano na mesma cidade – só comprovam que ela veio mesmo é pra ficar.

whatsapp-image-2018-07-28-at-17-57-42

Palestra sobre o idioma coreano, prova do hanbok (traje típico) ao fundo e expositores no mezzanino

A fila, composta por famílias e amigos de todas as idades e que dava voltas no hall do Imperator, já anunciava o sucesso do evento, que abriu os trabalhos com uma demonstração de Taekwondo do Grupo Crescer Artes Marciais, seguido de palestras sobre Hangul, o alfabeto coreano, e intercâmbio, e o restaurante Hanguk House cuidou de toda a parte gastronômica do evento, trazendo algumas delícias da culinária do país, como kimchi bokkeumbap, mandu e kimbap; alguns youtubers de canais voltados para a cultura coreana, intercâmbio e viagens para o país também marcaram presença, como a Susy, do Canal da Omma, representando Nova Iguaçu e mais uma pra reforçar o time da Baixada Fluminense <3

whatsapp-image-2018-07-28-at-20-15-46-1

Susy – Canal da Omma

Conversei com a fisioterapeuta Márcia Costa, moradora do Méier, que também ajudou a esclarecer que conhecer o país é um sonho possível e totalmente viável; ela já foi à Coréia do Sul em abril para o Fanmeeting do ator Lee Joon Gi, que também faz um super show de 4 horas onde canta, dança e interage com as fãs bem no mês do seu aniversário, e faz planos de ir mais vezes 🙂

mandu_hanguk-house

Mandu – Hanguk House

Ela super elogiou a iniciativa de trazer a Hallyu Rio para o subúrbio carioca, e conta que também buscou um grupo em São João de Meriti, na Baixada Fluminense, pois a festa foi uma oportunidade de relembrar e sentir as mesmas coisas, como experimentar as comidas e vestir um hanbok, o traje tradicional que usou em sua viagem; mas gostaria que as próximas edições do evento fossem num espaço ainda maior!

whatsapp-image-2018-07-09-at-11-02-48

“A gente não veio por curiosidade não, a gente veio porque a gente gosta mesmo” – Márcia Costa, fisioterapeuta

Acompanhada por uma sobrinha e sua coleguinha, ambas em idade escolar, as crianças queriam ver ainda mais covers de K-Pop e mais produtos à venda entre os expositores, como camisetas dos artistas de que gostam, inclusive a própria Márcia; mas que só de ter acontecido e no Méier, foi ótimo!

Ester Ribeiro, estudante de São João de Meriti, achou o evento muito legal, porque mais pessoas conhecem a Coréia, sua cultura e as coisas boas que o país tem a oferecer, além de unir tantas pessoas em torno dos mesmos gostos, sobretudo as que não têm condições de ir muito longe;

whatsapp-image-2018-07-09-at-11-04-59

Márcia no cenário do filme “Moon Lovers – Scarlet Heart Ryeo”, Lee Jong-Gi como o quarto príncipe Wang So

Entre os expositores conversei com Diogo Claudino, que veio do Rio Comprido, e achou bom ter um evento que promova uma cultura com a qual normalmente não há muito contato em nosso dia-a-dia, além de o conhecimento adquirido favorecer o nosso crescimento enquanto pessoas; por isso também a escolha do local não poderia ter sido melhor – lazer diferenciado ao alcance popular.

20180708_150836

Produtinhos! <3

Jasmine Costa, expositora da Tijuca, diz que comparado a outros estados, como São Paulo, o Rio de Janeiro ainda carece muito deste tipo de evento; ela conta que andava saturada das músicas que escutava antes, latina e pop music de um modo geral, então decidiu mudar de estilo. Conheceu o kpop e se apaixonou logo de cara por causa da dança, que sempre amou mesmo, então não houve distância, nem barreiras lingüísticas que a impedissem de seguir os artistas de que gosta e até os programas de TV.

20180708_150543-2

“É muito gratificante você saber que as pesssoas vêm aqui e elogiam os nossos produtos tipo “nossa, que legal, é de qualidade, é original” isso é muito bom” – Diogo Claudino

Diogo diz que seu interesse pela Coréia começou através da cultura oriental de um modo geral, mas principalmente do anime, que o levou a conhecer o kpop através de páginas do facebook que também compartilhavam o conteúdo relacionado; com o tempo o interesse dos dois foi evoluindo naturalmente para o negócio recém-iniciado, que começou era uma idéia de fãs que já existia, mas ainda precisava ser maturada e receber algum investimento. Então fizeram uma pequena economia durante algum tempo e assim começaram a criar seus produtos e conseguiram um espaço no evento 🙂

20180708_150135-2

“Aqui tem muito potencial de ter grandes shows, nós temos infra, nós temos público, mas eles não são tão incentivados, tudo começou com os eventos próprios de anime que vinham e traziam o kpop; e é bom a gente ter o nosso próprio evento de cutura coreana, não é só kpop, é de cultura coreana, então não abrange só a parte da música, toda a parte cultural também, e eu acho isso realmente muito importante pra chamar a atenção pro pessoal se atentar mais à toda a Hallyu” – Jasmine Costa

De acordo com Douglas Passos, principal organizador e articulador do evento, o Rio de Janeiro é totalmente carente de quaisquer informações voltadas para a cultura coreana. Mesmo após o grande aumento pela música e novelas (doramas) ter acontecido no Brasil inteiro, os pontos onde os cariocas poderiam se reunir em busca de um maior contato com a cultura ou pessoas que compartilham dos mesmos gostos era praticamente nulo.

whatsapp-image-2018-07-28-at-18-00-35

Salão do evento antes da pista de dança

Além disso, pouquíssimas pessoas sabem que Rio de Janeiro e Seul, capital da Coréia do Sul, são cidades-irmãs, um título político e legal que deveria favorecer intercâmbios culturais e parcerias comerciais entre ambas as cidades e países, o que infelizmente fica apenas no papel. Normalmente os povos das cidades-parceiras sequer têm conhecimento de que o são e o que isso representa, então quase nada é feito na prática.

20180708_173830

“A zona norte sempre fica de fora de eventos mais voltados para cultura asiática. É muito bacana poder dizer que o Hallyu Rio foi o primeiro evento coreano na zona norte do RJ e que principalmente mostramos como o público pode ser grande nessas áreas também” – Douglas Passos / Fotografia: Acervo pessoal

Kim Jong Young, que ajudou a produzir a Hallyu, achou maravilhoso ver toda a movimentação do evento, e a própria cultura, que também começou a ser vista no mundo inteiro, agradando tantas pessoas e no subúrbio carioca; ele reconhece que o Brasil tem muitos problemas de governos e ordem pública, mas que nosso povo tem um potencial maravilhoso a revelar, mas que precisa se reconhecer, se apoiar e ter pensamento positivo pra conseguir melhorar o futuro.

Ele gostou da escolha do local, pois a zona sul não é tão grande e é tudo muito caro, e espera que a próxima edição seja ainda maior e comporte 2 a 3 mil pessoas; e também diz que gostaria de ver mais artistas se apresentarem por aqui, ainda que fossem grupos pequenos, pois a energia e a animação dos brasileiros é muito positiva e traz felicidade, ele adora!

20180708_174442-4

Phoenix, grupo cover, já no palco da pista de dança, após as competições

A festa terminou com um quiz sobre doramas e uma super pista de k-pop, onde falei com Augusto Moitas, morador do Méier, estudante de cinema e um dos integrantes do cover campeão, o grupo Recycle, que resgatou “La La La”, sucesso do início da carreira do Big Bang, levando o público ao delírio! Ele conta que criou um trio com mais duas meninas do grupo, e que o time ficou completo com outro amigo e o namorado de uma delas – todos unidos pelo amor aos reis s2

Ele também destacou a importância pessoal da Hallyu no sentido de apresentar e aproximar as pessoas do seu próprio bairro à cultura e a toda essa energia, já que o maior público está na zona norte, baixada e subúrbio do Rio, além de mostrar pra quem já curte kpop que a Coréia é muito mais do que só música; e pra todo mundo, fez questão de deixar um recado:

“GENTE, ESCUTA BIG BANG!!!”

– E eu faço questão de fazer das palavras dele as minhas haha –

#soumuitovipsim

 

A Hallyu Rio contou com o apoio da World Study, empresa de intercâmbio com projetos para a Coréia do Sul, da HDM Produções, produtora voltada para shows de K-pop, Hangul Hakkyo – Escola de Coreano, primeiro curso de coreano da Barra da Tijuca (agora também em Nova Iguaçu), e o restaurante coreano Hanguk House, grandes parceiros para este projeto 🙂

 

 

Hangul Hakkyo – Escola de Coreano

 

Para quem quiser aprender mesmo o idioma e mais sobre a cultura coreana, existem duas super opções no Rio de Janeiro: a Hangul Hakkyo – Escola de Coreano, que possui uma unidade em funcionamento desde fevereiro no Shopping Barra Point, Jardim Oceânico, e agora conta com outra unidade, recém-inaugurada em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense.

35885848_394247654414429_3041539201569914880_o

O professor Ki Jong Kim faz a parte de alfabetização e disse que a maior dificuldade que os brasileiros têm na hora de aprender o idioma é justamente a falta de prática no falar, motivada pela falta de ter alguém com quem conversar fora da sala de aula; por isso ele aconselha a escutar bastante, mas a tentar falar também, ainda que treinando sozinho em casa ou com os amigos. Por essas e outras o seu maior conselho para quem está começando agora é ter muita paciência!

Ele também estava na Hallyu Rio, e revelou que nunca entendeu o porquê de as pessoas curtirem tanto a cultura de seu país, e que por isso mesmo o evento foi uma enorme surpresa! Pois ver com seus próprios olhos e sentir o amor de tantas pessoas lindas naquele dia foi uma forma de se sentir amado também 🙂

Para saber mais sobre as unidades da Hangul Hakkyo – Escola de Coreano no Rio de Janeiro, siga o link:

 

https://www.facebook.com/EscoladecoreanoBarra/