O corpo fala?

Esse é um post que já estava há algum tempo nos rascunhos e que por falta de coragem ou de tempo ainda não havia sido postado. É um post sobre mulheres, ou sobre como eu me sinto como mulher.corpo2Pode parecer um pouco fútil falar de imagem e de corpo e classificar como a forma como eu me sinto como mulher, mas a verdade é que o tema influencia e muito a forma como eu me vejo, ou a forma como eu vejo o mundo.corpo1 Essa é a confissão de alguém que após os 14 anos nunca teve muito problema com peso. Mesmo morando fora, mesmo enfrentando invernos, a verdade é que meu corpo nunca me agradou, mas nunca me desagradou a ponto de virar tema de post. Para ser um pouco mais exata só virou tema de post porque resolvemos falar de corpo e de como nos sentimos há algumas semanas atrás, e a Rafa acabou postando um post super bacana falando sobre a relação dela com corpo.corpo3

Eu sou uma dessas mulheres que precisa desencanar mais, que precisa relaxar, me assumir e aprender a me amar um pouco mais do jeito que eu sou. Isso seria fácil se não fosse a enorme quantidade de quilos adquiridos durante a minha gravidez. Minha filha vai fazer 11 meses e eu perdi a metade, talvez um pouco mais, mas ainda não aprendi a me olhar no espelho e gostar do que vejo. Ainda não aprendi a lidar com a nova imagem refletida dentro das minhas calças velhas, mas com formas diferentes.corpo4

Andei pensando sobre essa minha dificuldade, não entendo exatamente de onde vez, mas entendo que tem que passar. Tem que passar porque eu não sou modelo, não vivo do meu corpo, não tenho muito tempo para malhar e ainda estou aprendendo a fazer malabarismos para conseguir equilibrar as novas atividades que tenho no meu dia: filho, faculdade, leituras, blog, etc. Admiro muito as mães que voltam ao seu peso logo após a gravidez, mas acredito que cada uma de nós tem a sua história, que acaba, de certa forma, influenciando a maneira como lidamos com os novos momentos da vida.

corpo4Esse post não é uma reclamação, é mais um desabafo. Desabafo em forma de post. Quem sabe não me leva a ver as coisas de uma maneira diferente? Quem sabe não aprendo que as vezes é melhor expor meus sentimentos para aprender com outras mulheres a melhorar minha auto estima?corpo5Acho tão bonito tantas coisas em tantas meninas, mas depois de ter tido minha filha me escondo em algumas peças que antes não fariam a minha cabeça. Acho que aceitar que o corpo muda faz parte do processo, e faz parte da maternidade entender que essas mudanças nos tornam essas novas mulheres, essas novas curvas, novas celulites dão a forma do nosso novo eu.

corpo6Eu tenho tentado não sofrer por causa da minha imagem, tentado desfrutar dos meus poucos momentos livres sem entrar na paranoia da dieta: almoçar fora, tomar uma cerveja, um vinho, enfim, estou aprendendo a lidar com essa nova fase que se reflete no meu novo corpo. Viver do velho nunca é bom. É sempre bom buscar o novo e procurar aprender com as nossas experiências, tirar o melhor de cada situação. Esse post é uma maneira de eu propor a mim mesma algumas idéias que podem vir a ser benéficas para o meu corpo e para a minha mente.corpo6

  1. Começando pela necessidade de me aceitar como eu sou. Nasci assim, meu quadril não vai afinar mesmo que eu perca os dez quilos alojados no meu corpo. Aceitar que as coisas mudam e tirar o melhor de cada situação faz parte de uma vida saudável.
  2. Ter hábitos alimentares mais saudáveis que levarão a uma melhoria real da minha aparência física sem paranoia, sem loucura, sem dietas malucas. Aprender a comer mais saudável pode ser o começo de uma nova fase.
  3. Voltar a fazer alguma coisa para o corpo. Me mexer. Essa é a parte mais complicada, já que depois de acordar cedo, ter aula, ficar com a minha filha, estudar, escrever para o blog e ainda entregar os trabalhos de faculdade não sobra muito tempo. Meu maior desejo é dormir quando tenho um tempo livre.
  4. Me aceitar como eu sou. Só assim as pessoas me aceitarão como eu sou, só assim elas irão gostar de mim. Enquanto eu não me sentir bem comigo mesma, ninguém poderá fazer nada por mim.

Aprender que imagem não é tudo.corpo7Apesar de ter estudado muito marketing de moda e ter feito diversas produções de moda, meu cérebro parece não lembrar do photoshop, da manipulação das imagens e da realidade. As vezes eu esqueço que o que vemos em editoriais está longe de ser verdade. As imagens são tratadas, trabalhadas, as poses são escolhidas para esconder defeitos e ressaltar qualidades.

corpo7Apesar de tudo isso, de todo esse desabafo, o que eu quero com esse post é criar um marco para uma revolução dentro de mim que eu espero que seja uma revolução para muitas de vocês:

Aprender a gostar do que somos, como somos. Aprender a ser feliz com o que temos. Aprender que se temos um corpo, podemos usá-lo da forma como queremos, seja de mini saia, calça jeans ou até com o bom e velho pijaminha. corpo8Aprender a me amar como eu sou é o meu dever de casa. Qual é o seu?