SPFW n42: A La Garçonne, Reinaldo Lourenço, Patrícia Vieira e LAB


O primeiro dia de São Paulo Fashion Week (SPFW)  n42 foi intenso, colorido e com muita representatividade. Separei alguns looks de cada marca que desfilou e contei um pouco sobre as coleções.


spfw-n42-dia-1

SPFW n42: Primeiro Dia


A La Garçonne

A marca de Fabio Souza e Alexandre Herchcovitch tem como característica principal trabalhar coleções de maneira livre. Da primeira vez eles foram mais contidos e mostraram peças mais comerciais e desta vez abusaram do conceito e da criatividade.

Com muita inspiração no esporte e principalmente no motocross, a coleção mistura o estilo futurista, mas mantém o ar antigo. Se você parar para ver cada detalhe, vai perceber que sempre tem um toque vintage que se mistura com o moderno e é esta pegada que eu AMO.

“Detesto ver moda, só vejo streetstyle”, diz Fábio Souza.

Para completar o desfile, eles contaram com a ajuda de várias marcas parceiras como a Hering (moletons, camisetas, vestidos e abrigos), Colombo (alfaiataria), Converse (tênis), Hector Albertazzi (jóias).

Reinaldo Lourenço

As maiores inspirações de Reinaldo Lourenço foram folclore, campos de trigo, ruas e contrastes. E isso fica muito claro quando vemos as peças, que são super coloridas, mas que não fogem do preto, azul e vermelho. Elas variam os tons, mas estão sempre nessas tonalidades.

A coleção nasceu depois de uma viagem do estilista para a Suécia e resultou em um mix de estampas maravilhoso e super criativo quando juntou com plissados e transparências. Além das listras, tem bastante estampa floral em tons primários e cortes assimétricos na maioria dos looks. Tudo super coeso e moderno. Os acessórios foram da Camila Klein que criou junto com o Reinaldo uma imagem mais industrial.

“Ele trouxe a ideia, eu materializei, foi um trabalho a quatro mãos”, contou Camila ao FFW.

Patrícia Vieira

Patrícia Viera é aquela estilista que faz QUALQUER COISA com couro, sabe? Pois é. E a cada desfile eu me surpreendo mais e mais. Ela consegue criar texturas incríveis, gente. Impressionante!

Patrícia sempre vai a lugares diferentes e exóticos para buscar inspiração e desta vez, a Ilha de Páscoa, na Polinésia Oriental, foi a sua grande inspiração.

“É um lugar lindo, mais duro. É longe, isolado, um lugar de provação mesmo”, diz o stylist Felipe Veloso.

A cartela de cores têm desde o branco, azul claro e prata, mas a maioria das cores é escura e forte, como o cinza e preto, para dar o aspecto das rochas vulcânicas da região. Algumas peças parecem armaduras de guerra, com bordados de metal, mas no geral é tudo bem delicado e feminino, como sempre.

LAB

Pela primeira vez a marca LAB desfilou nas passarelas do SPFW. Os idealizadores, Emicida e seu irmão Fióti, colocaram toda a pegada do rap e hip hop nas roupas e ao final, entraram cantando e representando!

Eles tiveram como inspiração principal a história de Yasuke, um samurai negro que rompeu paradigmas no século XVI. Pelas roupas já vemos bem a influência das roupas dos samurais, mas o legal é que eles conseguiram inserir várias tendências de moda como os recortes que estão super presentes na LAB também.

O casting foi em sua maioria de negros, LINDOS por sinal, e também incluiu modelos com vitiligo e plus size. Inspirada nos tecidos angolanos, a coleção traz uma enorme quantidade de estampas e materiais. Foi um desfile super alegre e com basicamente três cores: preto, branco e vermelho.

“A criação é uma folha em branco em todas as plataformas. Criando uma faixa ou desenhando uma camiseta, o que eu quero é contar uma história. Esta é uma sensação deliciosa”, revelou Emicida.


O primeiro dia foi bem interessante. Muitas influências diferentes misturando cores e estampas. Amei!