SPFW n42: Glória Coelho, Vix, Just Kids, Samuel Cirnansck, Helô Rocha, Ratier

O quinto dia de São Paulo Fashion Week contou com os desfiles de marcas já conhecidas nas passarelas e outras estreantes, que criaram uma passarela dark e mais sombria. O primeiro, o segundo, o terceiro e o quarto dia já foram citados anteriormente com detalhes e agora você vai ver tudo sobre o penúltimo.

spfw-n42-dia-3

SPFW n42: Quinto dia


Glória Coelho

As coleções da Glória Coelho são sempre bem sóbrias e com cores básicas e fáceis de combinar. Esta, seguiu o mesmo padrão, mas ousou bastante na modelagem e cortes assimétricos. Colocou bastante transparência e recortes que deixam partes do corpo a mostra.

Botas montaria, pele e argolas deixaram os modelos com ar invernal e ao mesmo tempo super modernos. Adorei ela usando formas geométricas para criar estampas. Ficou muito criativo e estiloso!


VIX

O verão está chegando e todos os olhares já estão voltados para a moda praia. Se você gosta de modelos diferentes e ousados, a VIX é a marca certa pra você. A cartela de cores passeia por todas as cores básicas até estampas de folhagem e onça, além de mostrar saídas de praia com vestidos, calças largas e até pantacourts.

As estampas estão super bonitas, com flores e listras, e as saídas de praia me encantaram. Dá vontade de comprar para usar como roupa normal ao invés de usar na praia. Decotes bem cavados, saias esvoaçantes e amarrações.


Just Kids

O desfile da Just Kids, marca de moletons criada por Karen Fuke e Ju Jabour, foi bem dark e rock’n’roll. elas misturaram moeltons pretos, brancos e cinza com transparências em tule e criaram uma atmosfera de protesto com frases como “We are not here to sell clothes”  (Nós não estamos aqui para vender roupas).

“Fiz uma colagem de músicas de 2016 da internet e de NY entre os anos 1977 e 1981. O desfile abre com “Desire”, uma música que fala que está tudo bem, uma coisa meio blessed, mas a sonoridade dela é puro caos”, explica Love.


Samuel Cirnansck

Os tecidos fluidos, em tons claros e as transparências já mostraram que vieram para ficar e estão super presentes neste desfile também. Quem abriu e fechou a passarela, foi a nossa Miss Brasil 2016, lindíssima!

Samuel escolhei uma cartela de cores bem clara e clássica e misturou detalhes em tons mais fortes como o amarelo, para dar elegância à peças mais simples como o jeans para homens e mulheres. Mostrou também rendas e tecidos cintilantes em peças de beachwear, deixando-as extremamente elegantes e alguns vestidos até me lembraram vestidos de noiva. Pra mim que quero casar na praia, cairia como uma luva!!

“Quis mostrar o começo da minha carreira, que foi vendendo camisetas com minhas próprias estampas”, explicou Samuel ao FFW.


Helô Rocha

Helô Rocha descreveu sua coleção como “axé em forma de roupa” e conseguimos perceber muita influência de culturas muçulmanas, com véus na cabeça e piercings no rosto.

“É muito mais um sentimento. Liberdade define o que eu fiz”, conta Helô no backstage, rodeada por costureiras dando os últimos arremates.

O desfile teve o styling assinado por Dudu Bertholini e mostrou uma coleção mais etérea, espiritual, leve e uma imagem muito poderosa. Este não é o tipo de desfile que me enche os olhos, mas mostrou bem a criatividade da estilista e suas inspirações.

Todas as peças são fluidas e com saias esvoaçantes e folgadas, em branco ou estampas leves e femininas. Os modelos têm várias pontas e recortes e foi exatamente isso que não gostei. Prefiro as peças mais simples e sem tanto mix de estampa que apareceram ao final do desfile.


Ratier

Renato Ratier criou um atmosfera de balada neste desfile e deixou tudo com a sua cara. Para quem não sabe, Ratier é proprietário da boate D-Edge, local bem conhecido da cena noturna de São Paulo. Ele mostrou looks soltos, pretos e cheios de detalhes metálicos em dourado e prateado.

Com mdoelagens mais esportivas, predominaram tecidos como moletom, malha, nylon e seda para as peças mais fluidas e largas. A ideia do see now, buy now foi totalmente absorvida pela marca que já montou um esquema para que as peças fossem vendidas imediatamente após o fim do desfile.