1° Bootcamp Industrial Têxtil FIRJAN + Instituto HUB apresenta o universo das tecnologias vestíveis

Entre os dias 6 e 10 de maio foi realizado o 1º Bootcamp Industrial Têxtil, fruto de uma parceria histórica entre o Instituto HUB, a Maker Factory e a Firjan no pólo industrial do SENAI em Triagem, RJ; em 5 dias de intenso treinamento um seleto grupo de felizardos foi apresentado a uma realidade que ainda é utópica para a maioria das pessoas ligadas à cadeia têxtil: a das tecnologias vestíveis.

Fotografia: Zeilane Fernandes

Foram experimentadas técnicas de confecção de biotecidos, tecidos bioplásticos e tingimentos naturais; para conseguir as estampas através da impressão botânica as cores foram produzidas através fervura do algodão cru envolvido e amarrado em toras de eucalipto com flores e folhas vivas e secas, algas em pó e temperos, como açafrão e cúrcuma.

Toras de eucalipto preparadas para a impressão botânica / Fotografia: Zeilane Fernandes
Clara Acioli e Carol Gonzaga, Instituto HUB / Fotografia: Zeilane Fernandes
Após a fervura as toras são desenroladas e a matéria-prima da coloração é removida / Fotografia: Zeilane Fernandes
Fotografia: Zeilane Fernandes
Amarração e preparo para outra técnica de estamparia natural / Fotografia: Zeilane Fernandes
O tecido amarrado é levado à fervura e… / Fotografia: Zeilane Fernandes
…nasce um tie dye/shibori colorido à base de alga spirulina 😀 / Fotografia: Zeilane Fernandes

Biotecidos e bioplásticos foram desenvolvidos a partir de matérias-primas como café, casca de banana e laranja, gelatina sem sabor e kombucha. Para conseguir as estampas através da impressão botânica as cores foram produzidas através fervura do algodão cru envolvido e amarrado em toras de eucalipto com flores e folhas vivas e secas, algas em pó e temperos, como açafrão e cúrcuma.

Preparo para produção de amostras de tecidos bioplásticos à base de água, gelatina e glicerina / Fotografia: Zeilane Fernandes
Amostra de tecido bioplástico produzida com cascas de laranja / Fotografia: Zeilane Fernandes
Amostras de tecidos bioplásticos produzidos com matérias-primas diversas / Fotografia: Zeilane Fernandes
Biotecido produzido com terra vermelha e fécula de mandioca / Fotografia: Zeilane Fernandes
Tecido bioplástico produzido a partir de flores de hibisco / Fotografia: Zeilane Fernandes
Tecido bioplástico produzido a partir da borra do café / Fotografia: Zeilane Fernandes
Tecido bioplástico produzido a partir de cascas de banana / Fotografia: Zeilane Fernandes
Tecido bioplástico produzido a partir de cascas de laranja / Fotografia: Zeilane Fernandes

Com o apoio da Maker Factory foi possível realizar a impressão de acessórios como botões e brincos na tecnologia 3D, fazendo uma verdadeira tour pelo processo produtivo, que também é capaz de criar outros equipamentos e máquinas. Além disso, foram testadas as tecnologias de fonte aberta, Lily Pad e Arduíno, que permitiram, junto à linguagem da programação, a execução de alguns projetos.

Impressora 3D / Fotografia: acervo pessoal
Pedro Accioly, da Maker Factory / Fotografia: Zeilane Fernandes
Impressora 3D em ação / Fotografia: acervo pessoal
Gabriel Bastos, programador, exlicando sobre as tecnologias de fonte aberta / Fotografia: Zeilane Fernandes
Lilypad / Fotografia: acervo pessoal
Arduíno Uno / Fotografia: acervo pessoal

Foram desenvolvidos um colete sinalizador para ciclistas, uma bolsa com leds iluminando o seu interior (perder coisas na mochila nunca mais haha), uma luva com fitas de led que reagem no ritmo de músicas e outros estímulos sonoros conectados a ela, e uma capa de super-herói que monitora a frequência cardíaca de crianças hospitalizadas enquanto ajuda a preservar o espírito lúdico e o senso de autoproteção delas.

Fotografia: Zeilane Fernandes
Fotografia: Zeilane Fernandes
Fotografia: Zeilane Fernandes
Fotografia: acervo pessoal
Fotografia: acervo pessoal
Fotografia: Zeilane Fernandes
Fotografia: acervo pessoal
Fotografia: acervo pessoal

Se por um lado a tecnologia ainda é vista com ressalvas por muita gente, por outro lado existe uma legião de profissionais trabalhando para melhorar a nossa qualidade de vida em áreas diversas, colocando a ciência à nossa disposição, e não contra nós. O Bootcamp Têxtil revelou ser uma experiência mais do que necessária não apenas para revelar uma prévia do que o futuro nos reserva, mas também para nos lembrar, acima de tudo, de que o perigo real são as escolhas.


Que seja o primeiro de muitos, que seja um futuro possível!


Fotografia: Zeilane Fernandes