Último mês para conferir a exposição BJÖRK DIGITAL

O Ministério da Cidadania e o Banco do Brasil apresentam e patrocinam a exposição internacional Björk Digital em Brasília, em cartaz desde 03 de dezembro de 2019 até 09 de fevereiro de 2020.

Em pouquíssimas cidades os conteúdos imersivos criados pela artista em colaboração com alguns dos mais inovadores artistas visuais do mundo, como James Merry, Andrew Thomas Huang e Jesse Kanda, foram disponibilizados ao público de forma gratuita, como vem sendo no Brasil.

No mês de férias escolares, a exposição de mostra ainda como uma ótima pedida para as famílias, já que adolescentes com mais de 14 anos podem participar. Além de conteúdos imersivos em realidade aumentada pelos clipes da artista, a exposição permite ainda acesso gratuito ao app Biophilia, projeto educativo de Björk.

O aplicativo tem sido utilizado em escolas dos países escandinavos como um recurso extra no estímulo à criatividade, sendo possível entrar em contato com diversos processos artísticos por meio dele.


Sobre a exposição

A exposição é dividida em duas partes: Galeria 1 e Galeria 2. A primeira parte é composta por quatro seções e traz os clipes em VR das faixas do álbum Vulnicura (2015): StonemilkerBlack LakeMouth MantraQuicksandFamily Notget. De uma performance intimista na praia de Grótta, na Islândia, a um mergulho na boca da Björk, passando por interações com os avatares digitais da artista, os vídeos interativos exploram a tecnologia da realidade virtual, ressaltando a vocação de Björk como uma das artistas mais vanguardistas de nossa época. A visitação é organizada de 20 em 20 minutos, aproximadamente, em grupos de 25 pessoas.

Na segunda parte da exposição o público poderá experimentar o projeto educativo Biophilia através de ipads e uma sala de cinema, com projeção dos videoclipes da artista de forma intermitente, dirigidos por Michel Gondry, Chris Cunningham, Nick Knight, entre outros, incluindo materiais mais recentes, lançados em virtude do álbum Utopia, como The Gate, de Andrew Thomas Hang e Tabula Rasa, de Tobias Gremmler.

A relação de Björk com tecnologia é reconhecidamente um dos principais diferenciais da artista, o que a torna única no universo da música. Björk Digital explora isso com maestria. Nas palavras da artista, “a realidade virtual não é apenas uma continuidade natural do videoclipe, mas tem um potencial dramatúrgico ainda mais íntimo, ideal para esta jornada emocional”.

Börk Digital é mais do que uma experiência expositiva. Ela é a introdução à um mundo de novas possibilidades artísticas, uma amostragem de como a junção da tecnologia e da arte podem promover sensações expandidas, potentes e, ao mesmo tempo, super humanas. Fico feliz que o Banco do Brasil esteja abrindo espaço para uma mostra como essa, apostando em novos formatos, e olhando para uma das coisas mais inovadoras que está sendo produzida na arte hoje em dia”, completa Lia Vissotto, diretora da Cinnamon, que organiza a mostra nos CCBBs.

Concebida por Björk e James Merry, com produção do MIF (Manchester International Festival), patrocinada pelo Banco do Brasil e realizada no Centro Cultural Banco do Brasil Brasília pela Cinnamon Comunicação, a exposição segue para o CCBB Rio de Janeiro e Belo Horizonte em março e junho de 2020, respectivamente.


Exposição Björk Digital – primeira praça – Brasília

Local: Centro Cultural Banco do Brasil Brasília (St. de Clubes Esportivos Sul Trecho 2)

Datas: 03 de dezembro de 2019 a 09 de fevereiro de 2020

Visitação de terça à domingo

Retiradas de ingresso na bilheteria do CCBB:

Horário Galeria 1 (clipes em realidade virtual): 9h00 às 19h30

Horário Galeria 2 (Biophilia e cinema): 09h00 às 21h00

Ingressos: entrada gratuita mediante retirada de ingressos na bilheteria do CCBB ou no site bb.com.br/cultura.

Informações: (61) 3108-7600 | [email protected] | bb.com.br/cultura | facebook.com/ccbb.brasilia | Instagram: @ccbbbrasilia | twitter.com/CCBB_DF

Classificação indicativa: 14 anos